domingo, 31 de outubro de 2010

Curiosidade sobre o mês de Outubro de 2010

João Paulo e ...relevaram:

Um facto interessante sobre este mês de Outubro é que tem 5 sextas-feiras, 5 sábados e 5 domingos.

Isto só acontece uma vez em cada 823 anos.

Informação colhida no blogue do Rogério:Unir todo o concelho de Alcobaça.

Vamos apontar na agenda.Em 2833 cá estaremos para ver se bate certo.

terça-feira, 26 de outubro de 2010

24 horas por dia, já !

Este governo é incansável. O ministro das finanças deu o exemplo(atende o telefone 24 horas por dia) e vai daí o ministro da economia seguiu-lhe as passadas.O apoio às micro,pequenas e médias empresas não pára de aumentar.O pequeno comércio rejubila.Não mais terá de passar pela agonia da morte lenta.O golpe de misericórdia chegou finalmente.
Os desempregados (2000 dizem )fervem de impaciência na expectativa do novo emprego e do salário mínimo,cobrado por recibo verde que sempre é mais chique.
O consumidor festeja,aliás,passou o dia de ontem a festejar.Já não era sem tempo,até que enfim,tem (temos) as grandes superfícies abertas até à meia noite de Domingo.
Já temos tempo e lugar para comprar alegremente.Ainda assim ,o sr. ministro ficou aquém do desejável (claro que ninguém é perfeito).O ano que aí vem é bestialmente promissor de consumos alargados.Até à meia-noite teremos tempo de gastar o nosso dinheiro?
Senhor Primeiro,ouça-nos,por favor.Por favor,se quer que o país ande prá frente deixe lá os pobres coitados dos belmiros e jerónimos trabalhar à vontade e a nós, ajudá-los a sair da cepa torta,que bem necessitados estão.
Queremos,isto é,exigimos as grandes superfícies abertas 24 horas por dia .JÁ !

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Moi-même com Monsaraz ao fundo



fotografia de: M.ISA - Agosto 2010

Finalmente,Ministro da Defesa manisfesta algum bom-senso

O dito anunciou que durante o ano de 2011 não serão renovados os contratos a 3000 militares das forças armadas e o programa de reequipamento destas, será suspenso até 2013.
É pouco e de má vontade,ditado pelas dificuldades financeiras.

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

O Prémio Nobel da Literatura e o combate ao narcotráfico

Mario Vargas Lhosa ,peruano,é o Nobel de Literatura 2010.
Já foi candidato a Presidente da república do Peru.Em política reclama-se de conservador,ao centro.Grande admirador de Lula da Silva,Presidente do Brasil,não disfarça o seu ódio aos irmãos Castro de Cuba ,a Hugo Chavez da Venezuela e Ahmadinejad do Irão.
Este homem culto,polémico e frontal conhece bem a América Latina,os E.U.A. onde actualmente reside e grande parte do mundo.
O Nobel colocou-o " No centro do mundo ",título do artigo-reportagem em Porto Alegre,Brasil, da jornalista Alexandra Lucas Coelho,no P2 do Público ,do dia 16 de Outubro 2010.Vale a pena ler,como tudo o que ela tem vindo a escrever.
O que verdadeiramente me chamou a atenção,por inesperada,vinda deste prémio Nobel,foi a sua afirmação desassombrada quanto à forma de combater o narcotráfico:legalização das drogas.
Que me lembre,até hoje,ninguém que esteja ou tenha estado " no centro do mundo " o disse de forma tão radical e com tanta clareza.Se outro mérito não tivesse,só por esta afirmação já terá valido a pena ser-lhe atribuido o Nobel.
Transcrevo,com a devida vénia, do texto da Alexandra esta pequena passagem:
" O mundo descobriu que o narco era um estado dentro do estado,que pode lutar de igual para igual,e isso encheu o México de sangue",resume Vargas Lhosa. " E é uma luta que se pode estender à América Latina.Estou a favor da legalização das drogas.Creio que é a única forma de acabar com a delinquência.É a única que ainda não se utilizou.A repressão não contribuiu para diminuir o tráfico nem o consumo,pelo contrário.Investem-se somas cada vez mais astronómicas e consumo e tráfico continuam a aumentar.Há que investir na propaganda sobre os danos causados pela droga e na recuperação de toxicodependentes.E terá de haver um acordo entre países produtores e consumidores para a legalização das drogas.O narcotráfico é um risco que pode correr toda a América Latina e pôr em causa a democracia".

O Prémio Nobel da Paz e o PCP

A atribuição do prémio Nobel da Paz ao chinês Liu Xiaobo mereceu do PCP,um comunicado em que considera :Na linha da atribuição do Nobel da Paz 2009 ao Presidente dos EUA-Barack Obama,é mais um golpe na credibilidade de um galardão que deveria contribuir para a afirmação dos valores da paz,da solidariedade e da amizade entre os povos.
Independentemente do mérito relativo do laureado,o facto de se encontrar a cumprir uma condenação de 11 anos de prisão por reclamar democracia e liberdade de expressão,num país tão poderoso como é a China (dita socialista,mas na verdade de duplo capitalismo (capitalismo de estado e capitalismo selvagem ),não denigre o prémio que lhe foi atribuido.
A histórica e autoproclamada coerência de princípios do PCP,com posições contraditórias ,uma para consumo interno, outra em defesa de regimes socialistas que de socialistas só já têm o nome, é que sofre mais um rude golpe na sua credibilidade.

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Mais armas , mais dívida , mais desemprego , menos economia ,menos saúde,menos educação,.....

A loucura é uma doença persistente e não pára de aumentar nos loucos que nos (des)governam ,pelo menos desde a década de 80 ,para não dizer desde sempre,que eu me lembre.PS,PSD,CDS, os partidos do chamado arco da governabilidade,já todos tiveram nestes últimos trinta anos a pasta da Defesa.Cada qual destes loucos,primou por ser mais louco que o antecedente.Só pensam em armar-se.Em cada esquina do planeta um inimigo.Provavelmente,todos eles sofrem de impotência crónica.Casos de psiquiatria ou por aí perto.
Por sua vez o PCP e o BE,não se afoitam nas críticas às políticas da Defesa.Portugal fora da Nato e pouco mais ou mesmo nada.Nostalgia do 25 de Abril,como se os militares tivessem feito algo mais que pagar a enorme dívida que tinham para com o povo,desde a instauração da ditadura salazarista.Esquecem-se de que as actuais forças armadas já nem vestígios têm ,das que fizeram a revolução dos cravos. Pelo menos o PCP e o BE,têm a obrigação de discutir abertamente,dentro e fora dos partidos,a necessidade de termos forças armadas,no actual contexto nacional e internacional.Este é um dos tabus de esquerda ,que urge quebrar,sem medo nem preconceitos ideológicos, moralistas e patrioteiros.
Vem tudo isto a propósito,de mais uma recente notícia que parece ter passado despercebida nos meios políticos e comentadores dos mesmos.
O Estado recebeu o primeiro de cinco aviões P3 ,em segunda mão,que custaram 200 milhões de euros.
O ministro da defesa,Santos Silva,justificou "o vultuoso" investimento com a necessidade de executar missões de luta anti-submarina,patrulhamento marítimo,busca e salvamento,vigilância terrestre,controlo de tráfico de drogas e redes de imigração clandestina e e missões que as forças armadas executam no estrangeiro.
O ministro lembrou também o investimento de quase 500 milhões de euros que estão a ser aplicados na modernização dos caças F-16,bem como da aquisição de 12 aviões C-295 e 12 helicópteros EH 101. Também os aviões C-130 vão estar sujeitos a um processo de modernização e já se analisa a sua futura substituição.
Ao todo,mais de 1500 milhões de euros estão a ser investidos na modernização da FAP.Pouco mais de um terço deste montante será aplicado até ao final de 2010,salientou o ministro. Assim se vai o nosso dinheiro,para isto nos pedem cada vez mais sacrifícios,mais fome, mais desemprego,menos saúde,menos educação,menos justiça,mais corrupção,mais desperdício,mais ....,menos ...,mais ....,menos ....
P.Q.O.P.

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Às armas, às armas !

No rescaldo das comemorações do centenário da República, convém fazer algumas alterações num dos seus símbolos,o hino nacional,a Portuguesa.
Um outro símbolo,o escudo,já foi substituido pelo euro.
A bandeira nacional é o único que mantém actualidade.
Porquê mudar ou alterar o hino?
Porque a sua letra está desactualizada em relação ao desígnio histórico propugnado para o presente e futuro da humanidade,consignado na carta das nações unidas,na declaração universal dos direitos humanos,no contexto político europeu e nacional pós segunda guerra mundial e pela vontade dos povos de todo o mundo. O futuro que se pretende é o da resolução dos diferendos entre estados de forma pacífica,o maior objectivo mundial é a PAZ.Isto porque a guerra tem sido e continua a ser ,o maior flagelo da humanidade,a causa maior de todos os outros males.
O hino nacional nasceu num contexto nacional e internacional de guerra quase permanente e generalizada.( A participação de Portugal na 1ªGrande guerra mundial,foi-nos de tal maneira desastrosa,que levou a curto prazo ao funeral da República e implantação da Ditadura salazarista.)
O hino nacional apela à guerra. " Às armas, às armas " " contra os canhões marchar,marchar ".
O hino nacional com estes apelos é antipedagógico, especialmente para a juventude .
E é uma desculpa histórica e um incentivo para os nossos atávicos políticos, continuarem na senda duma política militarista, irresponsável,ridícula e ruinosa para Portugal,ruinosa para os Portugueses.

sábado, 2 de outubro de 2010

A dita regeneração urbana de Alcobaça ( V )

A primeira pergunta que merece uma resposta é :há necessidade de requalificar esta parte de Alcobaça? Sim,sem dúvida.Que requalificação? Por ordem de importância e urgência:
1- refazer e alargar os passeios onde fôr possível,aliás não só os daquela zona,mas de grande parte de Alcobaça,especialmente os de maior inclinação.O piso em pedra(calçada à portuguesa)está muito irregular e polido.Um autêntico quebra ossos, o que tem originado frequentes quedas e ferimentos graves.
2- recuperação exterior e interior do mercado.Necessita de melhores condições de higiene,funcionalidade e adaptação a outas actividades.
3- remodelação do parque de estacionamento situado entre o mercado e a rua Brilhante Martins,reservando espaço suficiente para autocarros de turismo.Implantar no local estruturas de abrigo das condições climáticas adversas e outras comodidades,nomeadamente sanitários.
4-Nas ruas limítrofes do jardim da Alameda substituir algumas árvores,especialmente plátanos que existem em quantidade excessiva e originam problemas de saúde,nomeadamente respiratórios.
No jardim própriamente dito,com ou sem supressão da rua Judite Vasco,eliminar várias sebes e canteiros de arbustos de modo a torná-lo num espaço mais aberto.
Necessita de sanitários e de melhores condições para o funcionamento dum café-esplanada.
5-Disciplinar o estacionamento em toda a zona,com sinalização de trânsito adequada,marcação dos lugares no pavimento,horário de cargas e descargas.
6- o anfiteatro não é cómodo nem funcional.
É necessário dotá-lo de cobertura movível(?) e infraestruturas eléctricas,no mínimo.

Tudo o resto que o projecto contempla ou não é urgente nem o local adequado(novos paços do concelho e parque de estacionamento subterrâneo)ou é mesmo prejudicial(supressão de parte das ruas Manuel da Silva Carolino e Dr.João Lameiras Figueiredo, bem como a construção de duas novas rotundas).
Espera-se desta câmara o bom senso e a humildade democrática de submeter o projecto à discussão pública.Não o fazer ,depois da polémica e nefastas consequências das obras na zona histórica,seria imperdoável.

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

A dita regeneração urbana de Alcobaça (IV)

A rotunda existente em frente da câmara municipal,funciona e bem,como ponto de recepção e distribuição em todas as direcções,do trânsito das Avenidas Manuel da Silva Carolino e Dr, João Lameiras de Figueiredo.Eliminar estas ruas e rotunda é destruir o que está bem feito,sem se ganhar nada em troca,antes pelo contrário.As duas projectadas rotundas -uma junto ao centro comercial Gafa,outra no entroncamento da Alameda do Mercado com a rua de Olivença - só irão complicar o trânsito,em vez de o facilitar.Para além do mau gosto urbanístico que é o de juntar várias rotundas -na rua de Olivença já são duas - a curtíssima distância umas das outras.
A zona que se pretende requalificar é de construção recente,funcional e agradável. Com muitos espaços verdes,com muitos lugares de estacionamento à superfície,não pagos,com trânsito intenso mas relativamente fluido.
O dito projecto de regeneração em vez de requalificar vai desqualificar,excepto eventualmente do ponto de vista paisagístico,pois os jardins existentes pouco serão mexidos e de acordo com o projecto,serão um pouco aumentados.
O que de forma alguma justifica a supressão de parte das três ruas já referidas, com a consequente complicação do trânsito.
Aquela que é hoje a melhor zona comercial da cidade e mais frequentada ,se o projecto vier a realizar-se,passará a ter um trânsito de passagem,com poucos lugares para estacionamento e a pagar.Não vai apetecer parar. Não vai apetecer pagar estacionamento para fazer pequenas compras breves,não vai apetecer fazer grandes compras demoradas,com o relógio do estacionamento a contar.Não vai apetecer deixar o carro estacionado longe.Os hipermercados,esses sim,vão ter mais clientes.O comércio e moradores vão sofrer na bolsa e de que maneira.
Não fôssem os serviços públicos lá existentes e o número elevado de habitantes , esta zona da cidade teria a mesma sorte da zona histórica com as obras no largo do mosteiro.
Será que a câmara não aprende com os próprios erros ?
No próximo texto,em jeito de balanço final,darei a minha opinião sobre o que faria e o que não faria deste projecto. ( continua)